Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2016 > Abril > Impeachment é tentativa de "eleição indireta para a Presidência", critica Berzoini

Notícias

Impeachment é tentativa de "eleição indireta para a Presidência", critica Berzoini

Ministro afirmou que diálogo com parlamentares para barrar golpe seguirá até o dia da votação

Em entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira (13) no Palácio do Planalto, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, afirmou que o processo de impeachment em curso na Câmara dos Deputados é uma tentativa de golpe contra o governo e que há uma tentativa de suprimir o povo do processo político.

O objetivo, segundo Berzoini, é que haja uma "eleição indireta para a Presidência da República".

Para o ministro, o processo de impeachment segue sem legalidade. “A Câmara dos Deputados entende que há improcedência legal no pedido. O próprio relatório aprovado foge da questão de se há ou não crime de responsabilidade. Houve a transformação de um processo de apuração em processo de impedimento”, critica Berzoini.

Leia mais:
>>> Estudo propõe senha única para facilitar acesso do cidadão a serviços públicos
>>> SG apoia consórcios de municípios para gestão pública
>>> Dilma sanciona reforma administrativa que reduz gastos

Ministro Berzoini
Em entrevista, ministro Ricardo Berzoini defende: "Não podemos brincar com a democracia".  Foto: Naiara Pontes/SG

O trabalho de diálogo com parlamentares e lideranças segue até o dia previsto para a votação, no próximo domingo (17), segundo o ministro - que mostrou confiança de que o governo terá o número de votos necessário para vencer o processo.

“Não há qualquer tipo de barganha conforme algumas notícias fantasiosas têm tentado indicar”, ressaltou Berzoini. “Não vejo nenhum limitação para o diálogo e argumentação. É totalmente legítima a composição de uma base de apoio e de negociações que aconteçam de forma legal”, completa.

Berzoini defendeu ainda o governo tem totais condições de governabilidade para manter o trabalho que vem sendo desenvolvido e que todo processo político deve envolver a participação do povo. “Não podemos brincar com a democracia. Não se trata de gostar e apoiar ou não este governo, trata-se de proteger a democracia do nosso país e prezar pelo respeito e legalidadel”, finalizou o ministro.

 Jéssica Castro - ASCOM/SG