Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Temer anuncia veto a qualquer medida de anistia à corrupção

Notícias

Temer anuncia veto a qualquer medida de anistia à corrupção

Congresso

Presidentes do Executivo e Legislativo afirmam ser contrários à tramitação de medidas para anistiar crimes eleitorais
FOTO: Beto Barata/PR Presidente Michel Temer, Presidente do Senado Federal e o Presidente da Câmara dos Deputados durante coletiva de imprensa

Presidente Michel Temer, Presidente do Senado Federal e o Presidente da Câmara dos Deputados durante coletiva de imprensa

O presidente da República, Michel Temer, anunciou neste domingo (27) um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para impedir a tramitação de qualquer proposta que busque anistiar o crime de caixa dois. Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, Temer disse que seria "impossível” sancionar uma proposta desse tipo.

“Temos feito, o Executivo e o Legislativo, ajustamento institucional em vistas a, se for possível, impedir a tramitação de qualquer proposta que vise a chamada anistia”, disse o presidente da República, ao lado de Renan Calheiros e Rodrigo Maia.

Na entrevista, Temer afirmou que há unanimidade dos dirigentes do Executivo e do Legislativo contra a proposta, o que é compatível com a “voz das ruas”

“Acordamos todos que não há a menor condição de, pelo menos patrocinado pelo presidente da Câmara e do Senado, levar adiante essa proposta”, afirmou.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ressaltou nunca ter havido um debate com os líderes sobre qualquer tentativa de anistiar crimes eleitorais. O que se busca na Casa é tipificar o crime de caixa dois, dentro do projeto das 10 medidas contra a corrupção.

“Esse debate (da anistia), do ponto de vista da minha reunião com os líderes, nunca aconteceu e nunca acontecerá no dia da votação”, disse.

A posição foi reforçada pelo presidente do Senado. “Estamos fazendo um acordo, um ajuste institucional, no sentido de que não haverá apreciação de anistia a crime eleitoral, a caixa dois ou qualquer crime eleitoral”, afirmou.

Secom/PR